sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Lesão do Ligamento Cruzado Anterior

Três articulações compõem a articulação do joelho: tibiofemoral medial, tibiofemoral lateral e patelofemoral, que compartilham a mesma bainha sinovial.
Com o intuito de promover sinergia durante os movimentos, esta articulação apresenta um sistema integrado de estabilização a partir da interação de ligamentos, que conferem a estabilidade do joelho e um par de meniscos intra-articulares, que atuam de forma a reduzir cargas de contato entre fêmur e tíbia.
São cinco os ligamentos principais:
  1. colateral fibular;
  2. colateral tibial;
  3. cruzado anterior;
  4. cruzado posterior;
  5. poplíteo oblíquo.
O LCA insere-se na parte anterior do platô tibial e estende-se para cima e posteriormente  no côndilo femoral lateral. Durante a flexão do joelho, o LCA roda 90° em torno dele mesmo, com a função de manter a estabilidade anterior da articulação.
Para McRae (2011), durante aproximadamente os últimos 10° de extensão do joelho, os ligamentos articulares são torcidos de modo tenso, resultado da rotação medial do fêmur sobre a tíbia; no início da flexão, esta tensão é anulada pela rotação lateral do fêmur, auxiliada pela rotação do músculo poplíteo.
Em geral, a lesão do LCA decorre de acidentes automobilísticos, atividades competitivas ou recreacionais, combinados a movimentos de desaceleração, estresse em valgo ou rotação(pé fixo e a perna roda).
As lesões podem ser parciais ou totais. A lesão parcial é a mais freqüente, em que o ligamento se encontra lesado em apenas uma parte e a incapacidade é temporária. Quando há ruptura completa do ligamento, a opção pela intervenção cirúrgica dependerá da sintomatologia apresentada pelo paciente. Existem pessoas que conseguem conviver com a lesão, a partir de fortalecimento muscular e exercícios de propriocepção, mas existe um outro grupo que é dependente deste ligamento, ou seja, mesmo após realizar o tratamento conservador, continuam apresentando falta de confiança e sensação de "desencaixe" do joelho após atividades extenuantes. Neste caso, torna se necessário o procedimento cirurgico. O reparo direto do LCA se dá por reforço do ligamento ou por reconstrução utilizando por exemplo parte do ligamento da patela e suas fixações ósseas.


Alguns sintomas acompanham o paciente após a lesão e são eles: instabilidade na articulação, derrame recorrente, falta de confiança no joelho, dificuldade/incapacidade de realizar atividades de alta intensidade, dificuldade para deambular em terrenos irregulares e dificuldade para utilização de escadas. Em geral, quando o ligamento cruzado anterior é lesado outras estruturas podem ser acometidas e isso varia de acordo com a biomecânica do movimento que deu origem a lesão como por exemplo: uma lesão em movimento de pivô (rotação) possivelmente acometerá o LCA e o Menisco Medial; em desaceleração e estresse em valgo colocam em risco outras estruturas.
Pontos a serem avaliados: edema, coloração, temperatura, marcha,  sensibilidade e análise de dor.
Testes a serem realizados: gaveta anterior. Para detectar se houve acometimento do ligamento colateral tibial, refaça o teste de gaveta com o posicionamento do pé em  rotação externa de 15°.
Já o teste de gaveta anterior com o pé posicionado em rotação interna 30°, tendo como resultado subluxação anterior do côndilo lateral da tíbia, confere instabilidade rotacional anterolateral com possível lesão do LCP, LPO e LCA.
Realize também manobra de Mc Murray para menisco medial, também pode ser realizado o teste de compressão de Apley, estas são apenas sugestões.


TRATAMENTO CIRÚRGICO

A cirurgia de reconstrução é feita com auxílio da artroscopia e devido a baixa capacidade de cicatrização do LCA e por não se conseguir realizar sutura, é utilizado um enxerto autólogo proveniente de outro ligamento ou de um tendão (os mais frequentes são o patelar e de flexores do joelho)  para substituição do LCA. A cirurgia tem duração média de 1 hora. 






 TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO


O tratamento de Fisioterapia inicia-se ainda em ambiente hospitalar e nesta fase os objetivos maiores são a redução do edema e ganho de mobilidade. Vale ressaltar que durante as duas  primeiras semanas é necessário a utilização de muletas para que o paciente não sobrecarregue a perna operada.  
Alguns aparelhos eletrotermofototerapêuticos podem ser utilizados nessa fase: o ultrassom (fonoforese) como auxiliar antiinflamatório, o laser de baixa potência ( atua na cicatrização), alta frequência (bactericida e fungicida), dentre outros.
Exercícios isométricos de adução e abdução de quadril, com o paciente deitado, podem ser realizados.
Exercícios respiratórios, com o intuito de preparar o paciente para a segunda fase onde serão iniciados exercícios do CORE, também podem ser incluídos.
Segunda fase: Fortalecimento 
Nesta fase inicia-se o processo de fortalecimento muscular, portanto, a utilização da corrente russa + exercício respeitando angulação do joelho torna se bem interessante, uma vez que com este tipo de estimulação consegue-se gerar uma contração de todas as fibras musculares  do músculo escolhido e apresenta bons resultados. 
A Fisioterapia, a partir desse momento, passa a ser todos os dias, pois o paciente recebe uma lista de exercícios para fazer em casa, nos dias em que não realiza o tratamento com o fisioterapeuta.
O fortalecimento da musculatura posterior de coxa e glúteos não pode ser esquecido.
Terceira Fase: Propriocepção
Os exercícios proprioceptivos são aplicados com o intuito de trabalhar capacidade de reação de proteção e equilíbrio do paciente. Trata-se de exercícios que associam força, postura, alongamento, equilíbrio e  são realizados com o auxílio de bastões, AIREX, Bosu, Fisioball, step, dentre outros. Além disso, podem  ser realizados exercícios de deslocamento lateral, aceleração e desaceleração.
Os exercícios desta fase solicitam muito do paciente, devendo o mesmo apresentar um bom controle corporal, especialmente de tronco, para que não compense com outras musculaturas em um dado exercício.   


Os exercícios de alongamento se inserem em todas as fases. Particularmente, eu utilizo preferencialmente o método de alongamento músculo-energia, pelo relaxamento proporcionado às fibras musculares, proporcionando significativo ganho de amplitude articular.
Atletas apresentam recuperação física em cerca de 4 meses, porém a cicatrização por completo do novo ligamento ainda poderá não ter acontecido.  Sendo assim, é melhor não arriscar, logo, a recuperação completa dura em torno de 6 meses.

Resolvi escrever esta matéria em homenagem a um paciente de 19 anos, apaixonado por futebol e que atualmente esta em tratamento de lesão de LCA e na expectativa de retorno para uma grande partida de futebol com seus amigos!

14 comentários:

  1. Querida
    Qualquer dia vai escrever sobre "os meus problemas"?
    Adorei sua forma de apresentar nossos "causos"!!!
    Vou ficar atenta para aprender.Parabéns! Obrigada,Cris!
    Bjkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis que um ano depois vejo seu comentário Ivani querida!!!
      Estou voltando a postar com tudo!!!
      Beijoss

      Excluir
    2. Interessante to com esse ligamento estourado .

      Excluir
    3. ola
      tem como vc colocar sobre o LCP?? to com uma lesão parcial do LCP, e naõ consigo dobrar o joelho todo, pois doi... e mesmo forçando ele nao chega todo...
      to com outra lesão tambem na cartilagem em cima do lado direito do lado da patela.... quando dobro o joelho aparece uma forma oval inchando...
      bati muito forte com o joelho na frente e afetou o LCP...
      vou escrever um pedaço do que colocaram no laudo da ressonancia


      - Perda do padrão fabrilar habitual do ligamento cruzado posterior, caracterizada por aumento da espessura e do sinal de fibras(edemas), notadamente no seu terço médio, que apresentam tambem aspecto ondulado e irregular, sugerindo lesão moderada, com estiramento e algum grau de distorção fibrilar. Correlacionar insuficiencia ligamentar com exame fisico.

      - Associa-se leve edema de planos adiposos pericapsulares do joelho, notadamente em situação posterior, sugerindo status pós-traumatico.
      - Sinais de estiramento da capsula articular posterior
      - irregularidade focal e milimetrica na cartilagem hialina ao nivel da faceta medial da patela, no seu treço medio. Pode corresponder a inserção de plica sinovial ou pequena erosão

      abraçoss

      Excluir
    4. Adorei a Matéria,eu fiz minha cirurgia no dia 08/08/2013 ainda estou com o Joelho inchado mais o meu médico já me passou fisioterapia.
      Esse LCA rompeu em uma trilha de moto,mais já ia fazer 2 anos pois foi em uma trilha beneficente as crianças em um pequeno morro o problema todo foi a torção que foi grande,passei esse tempo pensei de não precisar do tratamento cirúrgico.
      Mais já estava sentindo complicações pois sou motorista carreteiro e motorista requer pisar muito em embreagem,e foi justamente o esquerdo.
      Mais peço a Deus que minha recuperação seja boa,o problema é ter paciência...

      Excluir
  2. Muito esclarecedor. Esta tudo conforme esta acontecendo comigo. PARABÉNS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo post,Hedio!

      Qualquer dúvida estou aqui!

      Cristiane Muzi

      Excluir
  3. Estou com ruptura total no LAC, suas informações foram as melhores que encontrei para o meu entendimento.

    Obrigado

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de pedir uma dica de algum remédio para tomar ou algum produto para passar em cima da lesão

    Estou com dores na lateral interno do joelho esquerdo a 15 dias , consigo correr, consigo pular com uma perna só mais não consigo ficar muito tempo agachado sustentando do peso na perna do joelho lesionado pois dói muito, sera que pode ser algo serio como Ligamento colateral rompido ?

    • Distensão grau I: dor com dano mínimo ao ligamento.

    • Distensão grau II: Lesão parcial de algumas fibras do ligamento e pequena frouxidão na articulação.

    • Distensão grau III: Ruptura completa do ligamento e a articulação fica instável.

    como sei exatamente qual e ?

    pergunto isso pois sou lutador de Jiu-Jitsu e competidor , e torci o joelho em uma chave de joelho , senti 3 estalos no momento da torção ( como não bati no momento da torção senti os estalos, acabei encaixando uma chave de calcanhar no meu oponente e ganhado ) CEDE DE VITORIA !!!!

    porem o meu joelho não inchou nem nada simplesmente ficou dolorido e assim continua.porem não parei com os treinos mais ainda a dor continua bem baixa somente quando eu do uma forçada sinto aquela a dor mais forte , principalmente quando faz frio a dor aumenta. sera que realmente foi uma lesão muito seria ?

    qualquer coisa me mandem um e-mail willsmith57@gmail.com

    Muito obrigado pela a atenção Oossss !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Will,

      Nós Fisioterapeutas não receitamos remédios, em casos como o seu o ideal é que procure um Fisioterapeuta e faça uma avaliação.
      Um conselho: A dor é um alerta, não fique realizando movimentos que lhe causam dor, procure uma solução antes que o problema piore!
      Abraço, e obrigada pelo post,

      Cris Muzi

      Excluir
  5. Boa noite. Em primeiro lugar quero felicita-la pela excelente explicação. Tenho uma Ruptura no LCA à qual vou ser operado já nesta Terça. A minha questão é a seguinte. Conheço um caso de um jovem com o mesmo problema e na fase de fisioterapia para recuperar a mobilidade tomou uma substancia de nome Animal Flex que lhe aquecia a zona afectada. Gostaria de saber qual a sua opinião acerca disso.

    Cumprimentos,

    Daniel Cruz

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde!

    Operei de LCA, há 7,5 meses. Há 15 dias jogando futebol,tive uma pequena torsão. Fui ao médico, o mesmo solicitou uma RM. Fiz, porém, mostrarei o resultado somente do dia 23/11. Li o laudo e uma frase me preocupou bastante: "Neoligamento cruzado anterior com rotura completa no terço proximal".

    Terei de operar novamente?

    ResponderExcluir
  7. Cristiane, boa tarde.
    Ontem recebi minha Ressonancia e a conclusão foi de ruptura do menisco medial e ruptura do LCA. As suas informaçoes sao otimas, esclarece bem o tipo de trauma sofrido. Vou procurar o meu medico o quanto antes para que ele me indique exatamente o que fazer. Se for uma cirurgia e ficar 100% melhor ainda. Pois não veja a hora de voltar a praticar esportes (corrida, futebol, volei de areia).

    Obrigado.

    ResponderExcluir